The Great Hunt (Wheel of Time, #2)The Great Hunt
de Robert Jordan

Minha classificação: 5 de 5 estrelas

“E há de chegar o dia em que as obras dos homens serão destruídas, e a Sombra cairá sobre o Padrão da Era, e a mão do Tenebroso desabará mais uma vez sobre o mundo dos homens. As mulheres verterão lágrimas, e os homens tremerão quando as nações da Terra forem despedaçadas como trapos. Ninguém se oporá ou lutará. Mas alguém virá para enfrentar a Sombra, nascido outra vez, como nasceu antes e nascerá novamente, vezes sem-fim. O Dragão Renascerá, e seu retorno será acompanhado de choro e ranger de dentes. Ele cobrirá o povo em cinzas e aniagem e causará uma nova Ruptura do Mundo, destruindo todas as correntes que o prendem. Como a aurora libertadora, ele nos cegará e nos queimará, mas o Dragão Renascido enfrentará a Sombra na Última Batalha, e seu sangue nos trará a Luz. Deixai que as lágrimas escorram, Ó povo do mundo. Chorai por vossa salvação”. – Da tradução em português.

Robert Jordan continua a megalomaníaca saga de Rand Al’Thor neste segundo volume. O Dragão Renasceu, mas está cheio de inseguranças e incertezas. Nosso herói quer fugir a todo custo. Ele luta entre alcançar Saidin e o Vazio. Entretanto, por mais que ele titubeie e se negue a ver o que está diante de seus olhos, na hora H ele resolve o problema. E o que mais pedir de um herói? Ele não oscila entre o bem e o mal. Ele oscila entre o medo e o enfrentamento inevitável dos caminhos traçados pela teia do destino, ele próprio como maior vítima. Não seria reação normal para um jovem criado em uma pequena aldeia ao descobrir, em questão de meses, que nunca poderá retornar? Que é uma ameaça a todos a seu redor, e que seu futuro, na melhor das hipóteses, é ficar louco, ser perseguido e morto?

É dada a largada a uma corrida maluca. Roubaram a Trombeta de Valere e quem a soar primeiro vai ganhar “de brinde” o exército dos exércitos.

Em A Grande Caçada há muito mais em jogo que as incertezas de Rand e o medo das manipulações dos Aes Sedai. As forças das sombras se fortalecem e se organizam entre os próprios homens, atuando como mãos invisíveis. “O dia do retorno está próximo”, diz o próprio Ba’alzamon, e resta ao leitor aguardar desesperadamente que Rand escape das muitas armadilhas enfrentadas para recuperar a Trombeta de Valere e evitar o fim do mundo. Sem pressão…

A Grande Caçada, assim como o primeiro livro, se parece com uma aventura de RPG. O tempo todo novos desafios, novas etapas, novos personagens, novos lugares, novas descobertas. Dados rolando sobre a mesa. O leitor apreensivo pelo resultado. Quem são aliados, quem são inimigos? As páginas carregam o leitor em meio a incertezas e ao desenvolvimento de personagens como Lan, Moiraine, Mat, Perrin, Egwene e Nynaeve, principalmente. Retornam, mas ainda sem muito foco, as Min e Elayne, que de alguma maneira também possuem seu destino ligado ao de Rand.

O livro termina com eventos, mais uma vez, de proporções épicas. O Dragão Renasceu, e já não pode se esconder.

E que venha o próximo livro, e o próximo, e o próximo, etc.

Resta a felicidade de estar lendo em inglês e não depender de traduções. É o que sempre recomendo…

Minhas resenha no GoodReads

Anúncios